O uso das novas tecnologias: Você está preparado?

Estar pronto para usar a tecnologia como aliada da gestão, conhecer novas ferramentas e softwares, buscar treinamento, se qualificar e acompanhar uma constante e ágil evolução tecnológica são os principais desafios dos gestores, decisores e profissionais de Tecnologias e Sistemas de Informação.

 

Você está preparado?

Durante as últimas décadas, as tecnologias mudaram muito. Na década de 80, a ‘Era da Informação’, pela primeira vez este assunto foi mencionado ao público, pelo renomado Peter Druker, o pai da administração.

Você quer estar preparado para acompanhar essa realidade em que estamos inseridos da inteligência e mudança tecnológica? Para a transformação da indústria de software e a conectividade em nuvem? Para as coisas da Internet e a Internet das Coisas?

Hoje, já vemos robôs superando humanos em provas de interpretação textual, com as inteligências artificiais desenvolvidas pela Alibaba e pela Microsoft com o SQuAD*. Segundo cientista-chefe de processamento de linguagem natural do Alibaba, isso significa que as máquinas poderão responder perguntas com maior precisão. “Estamos especialmente animados por acreditar que a tecnologia pode ser gradualmente usada a inúmeras aplicações, como atendimento ao cliente, tutoriais de museu e respostas online a consultas médicas”, explica Luo Si.

Mas superar concorrentes humanos já é uma realidade há muito tempo. O computador Watson, da IBM, entrou para a história por derrotar concorrentes humanos no programa de TV de perguntas e respostas de conhecimentos gerais, Jeopardy, já em 2011.

Entre as funções desse computador nos Estados Unidos, estão o aconselhamento legal para casos simples, com uma precisão de 90% (a humana chega a 70%) e até mesmo diagnóstico de câncer, sendo quatro vezes mais assertivo do que quando feito por enfermeiros.

Nos Estados Unidos, um aplicativo foi criado com o objetivo de detectar sinais precoces de câncer no pâncreas, e teve 90% de eficácia em comparação ao exame de sangue em um teste feito com 70 pessoas. Já, o sistema de reconhecimento de rostos do Facebook é tão eficiente que consegue identificar o usuário mesmo em fotos em que ele apareça de costas ou de óculos escuros, por exemplo.

Os computadores do futuro serão mais inteligentes e poderão substituir humanos em alguns casos. E como nós, gestores, ficaremos nesse novo tipo de organizações?

 

Volume de informações e o armazenamento de dados

A computação em nuvem tende a se tornar a forma mais comum de armazenamento de dados. A empresa de consultoria Gartner prevê que, até 2020, as empresas que ainda não utilizam a nuvem serão tão raras quanto as que não utilizam internet. Netflix, Uber, Airbnb e Facebook, são algumas das que já aderiram à cloud.

Um dos motivos para essa expectativa de aceitação é por sua maior segurança e facilidade. Com a popularização de novos formatos de trabalho, como home office, é imprescindível que as informações possam ser acessadas de qualquer lugar e estejam extremamente seguras.

Outro grande motivo é a necessidade de desmaterialização que se vive hoje por conta do excesso de materiais físicos. Em vez de manter a imensa quantidade de papéis sem uso em arquivos físicos, pode-se transferir essas informações para sistemas em nuvem.

 

Resistência ao novo

Desde a época de Charles Darwin, os cientistas que estudam a evolução têm procurado entender como algumas espécies têm sido capazes de sobreviver às mudanças em seu ambiente, enquanto outros não têm. Eles identificaram os critérios chave para a sobrevivência e crescimento como sendo a capacidade das espécies de se adaptar ao seu ambiente em mudança.

A resistência ao novo não é de hoje, mas continua sendo um obstáculo para que mudanças e a evolução da tecnologia sejam implantadas. São inúmeros os motivos que levam as pessoas a resistirem à evolução: comodismo, incerteza da eficácia do novo, apego a coisas antigas, falsa sensação de economia, entre outras desculpas.

A gestão pública também passa por essa resistência à medida que mantém uma tecnologia defasada nos sistemas de gestão usados por prefeituras, câmaras de vereadores, autarquias e diversos outros órgãos. Há resistência quanto a chegada de sistemas de última geração em nuvem e, com eles, as facilidades para o atendimento ao contribuinte e o bom andamento dos serviços públicos.

Aquele que estiver aberto às novas tecnologias e à inovação, certamente estará um grande passo à frente dos seus concorrentes.

 

Conclusão

Especialistas sugerem que nas próximas décadas será anunciada a quarta revolução industrial. Ela será alimentada por digitalização, tecnologia da informação e comunicação, aprendizado de máquinas, robótica e inteligência artificial; e mudará mais decisões de humanos para as máquinas.

As empresas, na busca por melhorar suas infraestruturas e processos, irão cada vez mais apoiar a aprendizagem de máquinas e os esforços da IA.

À medida que as empresas procurarem inovar e melhorar com a segurança da Informação, Machine Learning e a Inteligência Artificial, ferramentas mais especializadas serão adotadas na nuvem para suportar casos específicos de uso – o que torna inevitável aos gestores, decisores e profissionais de Tecnologias e Sistemas de Informação estarem preparados a aderir à estas soluções. Espera-se ver uma explosão em soluções baseadas na nuvem que acelerem o ritmo atual de coleta de dados e demonstrem a necessidade de computação disponível em provedores de nuvem gerenciada.


*Stanford Question Answering Dataset (SQuAD) é um conjunto de dados de compreensão de leitura, consistindo em perguntas colocadas por multidões em um conjunto de artigos da Wikipédia, onde a resposta a cada pergunta é um segmento de texto ou intervalo, a partir da leitura correspondente.

 

Economista e doutoranda do Programa Doutoral em Tecnologias e
Sistemas de Informação da Escola de Engenharia da Universidade do Minho, Portugal.

Deixe um comentário