+55 (47) 2101-7070
Voltar

Incertezas na economia pedem maior Planejamento

23 Abril 2019

Ao final do primeiro trimestre, o otimismo com o desempenho da economia brasileira se transformou em cautela. Após cinco semanas de queda consecutiva, a expectativa de crescimento para o PIB de 2019 foi reduzida para menos de 2%, segundo o Boletim Focus, do Banco Central. Foi a primeira vez em dois anos que a projeção ficou abaixo desse patamar. A decepção foi provocada pela demora em aprovar uma Reforma da Previdência, tida como principal medida para o governo controlar o déficit fiscal e reequilibrar as contas públicas brasileiras a médio e longo prazo. Os indicadores econômicos divulgados recentemente reforçam a necessidade de um maior planejamento para trilhar este cenário.

Confiança do Empresariado

Nesse início de ano, os índices de confiança produzidos pelo Ibre/FGV, apontam para o aumento da insegurança tanto por parte do empresariado quanto por parte do consumidor. O ritmo lento da economia e a manutenção de níveis elevados de incerteza econômica explicam a queda do Índice de Confiança Empresarial (ICE). Em março, ele chegou a 94 pontos, o menor nível desde outubro de 2018. Desde janeiro, a baixa acumulada é de 3,5 pontos, sendo 2,7 pontos somente ante fevereiro.

Em todos os setores pesquisados (indústria, comércio, construção e serviços), a confiança recuou significativamente no mês de março. O Itaú BBA avalia que, caso não seja revertida nos próximos meses, a queda da confiança do empresário pode provocar desaceleração na criação de empregos e, consequentemente, no crescimento do PIB. Segundo analistas do banco, o nível atual do ICE em 94 pontos condiz com a criação no em torno de apenas 20 mil de vagas por mês. Nesse ritmo, o crescimento anual do PIB seria de apenas 0,8%, segundo a estimativa do banco. Para se ter uma ideia, em janeiro deste ano, quando o ICE estava em 97,5 pontos e a geração de emprego correlata, em 44 mil por mês, o crescimento estimado do PIB seria de 1,7%, pela mesma análise.

Confiança do Consumidor

Também é a incerteza econômica que explica a redução no Índice de Confiança do Consumidor. Em março, ele fechou em 91 pontos, o menor valor desde outubro de 2018, acompanhando o marco da baixa na confiança do empresariado. No acumulando dos últimos dois meses, a perda foi de 5,6 pontos, sendo de 5,1 pontos ante fevereiro.

Na avaliação do Santander, a economia não deve ser impulsionada pelo lado do investimento até que haja uma normalização do cenário político. No entanto, o banco indica que há espaço para estimular o crescimento econômico pelo lado do consumo, sobretudo pela expansão do crédito, que hoje tem mais condições favoráveis devido à inflação baixa e controlada e os juros também baixos. Na percepção do Santander, desde meados de 2018, verifica-se uma expansão do crédito principalmente no crédito imobiliário direcionado às famílias.

Produção Industrial

No lado real da economia, a atividade da indústria nacional também patina e cresce em ritmo lento. No índice acumulado para janeiro-fevereiro de 2019, frente a igual período do ano anterior, a indústria caiu 0,2%, segundo dados do IBGE. O relatório destaca que, desde agosto de 2018, o setor industrial apresenta uma trajetória predominantemente descendente. Destaque-se, no entanto, que a produção industrial em fevereiro foi puxada para baixo pelo desempenho negativo das indústrias extrativas como consequência do rompimento da barragem na região de Brumadinho (MG). A queda de 14,8% foi a maior desde 2002, início da série histórica. Ainda assim, o resultado de fevereiro ante janeiro foi positivo em 0,7%, na série com ajuste sazonal, eliminando a queda de 0,7% do mês anterior.

O Bradesco destaca que, apesar da queda expressiva da indústria extrativa, outros segmentos também têm apresentado resultados fracos. Apenas os bens duráveis, com destaque para a indústria automobilística, têm mostrado alguma aceleração. Na análise do banco, “os poucos dados já conhecidos de março sugerem o fraco desempenho do primeiro trimestre, o que tem sido reforçado pela desaceleração dos níveis de confiança de empresários e consumidores nos últimos meses”. Com essa avaliação, o Bradesco projeta uma queda de 0,1% para o PIB do 1º trimestre. O banco ressalva que esse resultado inclui um comportamento mais positivo do consumo das famílias.

Cenário Externo

Outro setor que dá mostras de desaceleração é o comércio exterior. Segundo os dados do ministério da Economia, nos três primeiros meses deste ano, a balança comercial teve superavit 11,1% menor do que no mesmo período de 2018, e chegou a US$ 10,8 bilhões. O volume total comercializado também recuou, em 2%, em relação ao primeiro trimestre do ano passado, contabilizando US$ 95,1 bilhões. Além de um volume de dinheiro menor, a qualidade das exportações também piorou. Houve o crescimento de 8,7% na venda de produtos básicos, e queda de 9,8% nas exportações de manufaturados e de 3,5% na de semimanufaturados.

Diante de disputas comerciais criadas pela postura política anti globalização de alguns países, o FMI reduziu em 0,2 p.p. a sua previsão de crescimento para a economia mundial em 2019, que passa a ser de 3,3. A recuperação precária nos mercados emergentes também é apontada como motivo da desaceleração da atividade econômica em âmbito global. Para o Brasil, a projeção atual de crescimento do PIB caiu de 2,5%, em janeiro, para 2,1%, em abril. A principal prioridade é “conter o aumento da dívida pública, garantindo simultaneamente que as despesas sociais necessárias permaneçam intactas”, diz o relatório.

O Planejamento é necessário

Não é novidade que o maior problema do país seja de natureza fiscal. O que não se esperava é que se fosse ter tantas dificuldades para tratar de um problema tão urgente. Enquanto as negociações sobre a Reforma da Previdência patinam no Congresso, o governo tenta melhorar o ambiente de negócios com medidas microeconômicas de alcance limitado, mas que devem reduzir a burocracia e melhorar o ambiente de negócios. Se as incertezas econômicas são enormes do lado de fora das empresas, do lado de dentro, o planejamento estratégico e financeiro parecem ser o melhor caminho para neutralizar a paralisia que elas podem causar.

16 Maio 2024

5 vantagens que os sistemas financeiros em nuvem proporcionam para o setor de TI

Cada vez mais populares no universo corporativo, as tecnologias em nuvem são as maiores aliadas dos times de TI em muita...

Continue lendo
02 Maio 2024

Qual é o melhor caminho para implantar a IA na gestão financeira empresarial?

O uso de IA em finanças tem proporcionado a líderes e especialistas a oportunidade de trabalhar em conjunto com ferramen...

Continue lendo
25 Abril 2024

Como escolher um sistema para gestão de tesouraria?

Ao escolher um software para as finanças, analisar processos, regras de compliance e integrações com ERPs é essencial.

Continue lendo