+55 (47) 2101-7070
Voltar

Mercado de capitais: o que podemos esperar para 2024?

21 Fevereiro 2024

Quem acompanha o universo dos investimentos sabe: em 2023, o mercado de capitais passou por momentos difíceis. Mas quais as perspectivas para 2024? Continue lendo para descobrir.

Sob os olhares preocupados de especialistas e investidores, esse grande segmento do sistema financeiro mostrou sinais de enfraquecimento. Foi o efeito inevitável de um ano marcado por instabilidades econômicas, alta volatilidade do mercado, cenários de incerteza na política mundial e uma série de outros fatores relevantes, incluindo as consequências tardias da pandemia de COVID-19. Diante desse quadro, o que esperar do mercado de capitais em 2024?

Ao contrário do que muitos imaginam, a maioria das previsões econômicas para o novo ciclo, incluindo levantamentos da PwC, indicam que vale a pena retomar o otimismo. Em 2024, a expectativa é de crescimento: espera-se que o mercado de capitais enfrente menos oscilações e estabeleça um ritmo de desenvolvimento bem mais equilibrado. Conforme explicaremos a seguir, essa possível estabilidade depende das influências de algumas tendências globais que devem ganhar mais espaço nos próximos meses.

 

2024: projeções e tendências que podem-se esperar no Mercado de Capital

Desde a segunda metade de 2023, as projeções para o mercado de capitais – tanto no cenário brasileiro quanto a nível internacional – são de uma recuperação lenta.

No Brasil, as novas medidas de controle da inflação e as mudanças nas diretrizes tributárias apontam para um impulsionamento do setor produtivo. As decisões recentes do Ministério da Economia demonstram uma intenção sólida de fomentar o mercado de capitais: a negociação de títulos está mais segura e vantajosa para companhias e investidores. No cenário global, fatores como a estabilização política e o retorno de IPOs devem fortalecer o crescimento do capital privado.

Abaixo, listamos alguns dos principais fenômenos que devem influenciar o mercado de capitais em 2024 e explicamos um pouco mais sobre os mecanismos por trás de cada um deles.

  • Posicionamento dos mercados de IPO

Após mais de dois anos de estagnação, os IPOs devem voltar a aquecer o mercado de capitais.

Sigla para a expressão inglesa “initial public offering”, IPO é o termo técnico que designa as aberturas de capital – isto é, estreias de companhias na Bolsa. Com a crescente demanda por novas oportunidades de investimento, diversas empresas têm planejado o lançamento de ofertas públicas iniciais, o que deve renovar o fôlego do mercado. De acordo com as projeções do mercado nacional, a expectativa é de que o primeiro IPO na B3 apareça no segundo trimestre de 2024. 

  • Desaceleração do PIB

Em comparação com o ano de 2023, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve sofrer uma desaceleração em 2024.

As estimativas de crescimento do PIB para o novo ano ficam em torno de 1,5%, contra os 3% do ano passado. O que mais chama a atenção dos economistas é a perda de espaço do agronegócio: embora ele tenha um papel importante na geração de riquezas nacionais, espera-se que as exportações agropecuárias atinjam um impacto de crescimento menor do que no ano passado.

Mas os economistas apontam que, apesar de perder velocidade, o PIB deve se manter aquecido por conta do ciclo de redução de juros. Com a redução das exportações, o protagonismo dos investimentos e do consumo doméstico pode estimular o desenvolvimento do mercado de capitais.

  • Estabilização das taxas de juros

Tanto no Brasil como nos Estados Unidos, 2024 tende a ser um ano de taxas de juros mais estáveis.

No mercado nacional, a queda da Selic traz boas expectativas para os canais de crédito. A esperança é de que a descompressão no endividamento permita o desenvolvimento de atividades econômicas mais dinâmicas. Isso deve beneficiar os setores mais sensíveis às mudanças nas políticas monetárias, como a indústria da transformação, que terá espaço para crescer em 2024.

  • Realocação de capital

É impossível negar que as prioridades dos investidores estão mudando.

Em 2024, espera-se que o mercado de capitais seja afetado por um movimento massivo de realocação de ativos. O capital antes direcionado a áreas como tecnologias de mobilidade e criptomoedas será reposicionado, já que a tendência é a diversificação cada vez maior dos investimentos. A nova injeção de recursos deve acelerar as atividades produtivas de áreas que estão em alta, como robótica e inovação em saúde.

  • Crescimento dos investimentos de impacto

Impacto: essa é a palavra que deve transformar o mercado de capitais em 2024.

Cada vez mais visados pelos investidores, os investimentos de impacto são operações que buscam o equilíbrio entre retorno financeiro e impacto ambiental/social positivo. Nos próximos meses, as tecnologias ligadas a questões como sustentabilidade e mudanças climáticas tendem a ganhar cada vez mais espaço – e recursos –. Em outras palavras, o mercado de capitais deve se tornar mais “verde”.

  • Novos avanços em machine learning e Inteligência Artificial

Dando continuidade à tendência já observada nos dois anos anteriores, 2024 mostrará mais uma vez que o futuro da economia se baseia na inovação tecnológica.

O desenvolvimento de recursos ligados às Inteligências Artificiais (IAs) e ao aprendizado de máquina deve receber investimentos cada vez mais significativos. Não é nenhum exagero dizer que a tecnologia será a principal regente do mercado de capitais: é provável que a maioria dos investimentos em venture capital, por exemplo, tenha como focos as startups de tecnologia da informação.

Kit Tecnologias na Tesouraria


Tecnologia aplicada no mercado de capitais: como ferramentas de projeções e simulações de cenários tornam-se aliados para investimentos assertivos?

As previsões econômicas indicam que 2024 será um ano repleto de sinais verdes para o crescimento do mercado de capitais.

Para quem deseja investir de maneira estratégica, é essencial conhecer bem as projeções, mas também entender que isso vai além de acompanhar as expectativas divulgadas pelos economistas, afinal, na era digital, a tecnologia é uma aliada poderosa na tomada de decisões financeiras. 

Diante o cenário, os softwares de automação da Gesplan atuam para tornar a gestão de operações mais assertiva, auxiliando na escolha dos investimentos de acordo com as tendências do mercado e as prioridades de cada investidor, através de recursos de análise, projeção e gerenciamento de risco que ajudam a mapear seus investimentos futuros por meio de simulações de cenários.

Nossos softwares ainda são atualizados e sincronizados com as cotações e taxas junto aos principais agentes reguladores do mercado financeiro. Além disso, quem investe nos recursos transformadores da Gesplan tem acesso a tecnologias de monitoramento e controle de liquidez das operações, cálculo facilitado de Marcação a Mercado e muito mais - tudo conectado diretamente ao seu ERP.

Se quiser saber mais sobre como a tecnologia pode te ajudar a navegar pelo mercado de capitais, entre em contato com nossos especialistas e solicite uma demonstração das nossas soluções!

Infográfico CFOs

04 Abril 2024

FP&A: O que é e por que é fundamental para a sua empresa?

Envolvendo atividades de planejamento, previsão, orçamento e funções analíticas, O FP&A é um conceito eficiente para...

Continue lendo
20 Março 2024

O Papel do profissional de TI na Transformação Digital da Gestão Financeira

O sucesso de uma companhia vai muito além da gestão de capital. Hoje, a integração entre times é o verdadeiro impulsiona...

Continue lendo
21 Fevereiro 2024

Mercado de capitais: o que podemos esperar para 2024?

Quem acompanha o universo dos investimentos sabe: em 2023, o mercado de capitais passou por momentos difíceis. Mas quais...

Continue lendo