+55 (47) 2101-7070
Voltar

Trabalho colaborativo entre profissionais de finanças, tecnologia e negócios

14 Março 2022

O desempenho em uma empresa depende da sinergia formada entre seus diversos departamentos. Entenda como isso pode funcionar na área financeira

O processo de transformação digital, que já vinha acelerado, tornou-se ainda mais intenso nos últimos anos. Ferramentas de comunicação, colaboração remota, soluções baseadas em nuvem e outras tecnologias passaram de possibilidades para prioridades das organizações dos mais variados setores e portes.

Em consequência, o maior volume de sistemas e a “pilha tecnológica” trouxe um grau de complexidade sem precedentes para o mundo corporativo, elevando a necessidade de ferramentas automatizadas e integradas. Mais do que isso, as empresas vêm enxergando cada vez mais a importância de conectar as pessoas e as áreas dentro do negócio, a fim de gerar sinergia, visibilidade e gestão, imprescindíveis para a boa performance.

O que guiará o trabalho colaborativo entre profissionais de finanças, tecnologia e negócios nos próximos anos?

A ideia de integração entre áreas está cada dia mais em evidência, sobretudo quando falamos de tecnologia, negócios e finanças. Esta tríade corporativa é fator determinante no atual cenário de intensa competitividade e digitalização. 

Essencialmente, tecnologias da informação são a porta para inovações e alto desempenho, enquanto a área de finanças faz uso de dados, inteligência artificial e automação para maior produtividade. Por fim, o profissional com olhar de negócios consegue tomar decisões melhor embasadas e agir de forma mais ágil, através da inteligência das informações geradas, elevando o grau de performance da empresa junto ao mercado.

Dentro deste pensamento, a Deloitte fez um levantamento de alguns dos pontos que mais devem ser afetados neste processo de transformação, e que seguramente vão nortear as ações gerenciais das companhias. Assim, quem busca máxima organização para ter uma base sólida para o seu crescimento, deve ficar atento a fatores como:

  • Dados: a propagação de APIs deve fomentar a padronização de dados, mas não será suficiente, na medida em que a geração cada vez maior de dados passará a ser um grande ponto de atenção. Governança de dados e uma equipe responsável por sua integridade e segurança serão decisivas para a continuidade dos negócios.

 

  • Força de trabalho e local de trabalho: a tendência é que uma nova geração de profissionais, mais confortáveis com o digital e com o trabalho remoto, passe a forçar a necessidade de uma nova postura, mais dinâmica e moderna, por parte das corporações.

 

  • Autosserviço: o uso de ferramentas inteligentes e de forte automação também fará parte do dia a dia desses profissionais. Sendo capaz de realizar a maior parte do trabalho manual, a tecnologia transpõe-se em tempo para a equipe desempenhar atividades mais analíticas e estratégicas.

O roadmap da sinergia

Uma vez entendido como deve ficar o cenário do mundo corporativo daqui em diante, é preciso analisar como obter o máximo de sinergias dentro dele – e já projetar que tipo de vantagens elas podem trazer. Abaixo, citamos alguns exemplos do que deve estar no foco deste trabalho colaborativo:

  • Avanço de estratégias inovadoras: ao colocar profissionais de finanças, TI e negócios atuando em conjunto, é possível estabelecer metas e objetivos em comum, para dispor informações ágeis e relevantes a diversos setores, garantindo que a empresa tenha alto rendimento.

 

  • Aperfeiçoamento da visualização de dados: a análise de dados sempre fez parte do core da área de finanças, algo que deve se tornar ainda mais prevalecente e inteligente daqui em diante. A ideia é deixar as plataformas realizando cálculos pesados e validando índices de mercado em tempo real, enquanto os analistas investem seu tempo com a inteligência do negócio, de modo a contribuir mais com a tomada de decisões.

 

  • Padronização dos sistemas e ferramentas com APIs: com o aumento da complexidade do ambiente, estabelecer a padronização de dados e a integração de ferramentas é essencial para manter a organização e a efetividade das mesmas, sem incorrer na sobrecarga de dados da equipe e na perda de efetividade da gestão.

 

Ao atentar para estes pontos, a empresa tende a atuar com mais produtividade e rendimento da equipe, custos mais controlados (e até mesmo reduzidos), mais adesão às normas de compliance, mais segurança e consistência de dados e mais escalabilidade produtiva. A aproximação de áreas distintas e sua atuação conjunta é, naturalmente, um trabalho complexo e que exige planejamento, mas tende a gerar resultados melhores em médio e longo prazos.

Além disso, sempre vale a pena contar com um parceiro experiente para unir todas essas áreas, e que traga sua expertise para o negócio. É por isso que a Gesplan vem há mais de 20 anos desenvolvendo soluções inteligentes e colaborativas para os departamentos de finanças e Tesouraria. Nossas soluções trazem máxima integração com os principais ERPs do mercado, e contam com dashboards intuitivos e completos para facilitar a gestão, enquanto nossos especialistas trazem insights do mercado nacional e internacional e contribuem com as melhores práticas de gestão de negócios.

Fale com a gente e descubra como tornar a Tesouraria inteligente e colaborativa >

E-book | Tesouraria 2025 7 Tendências para o futuro e o que esperar delas

16 Maio 2024

5 vantagens que os sistemas financeiros em nuvem proporcionam para o setor de TI

Cada vez mais populares no universo corporativo, as tecnologias em nuvem são as maiores aliadas dos times de TI em muita...

Continue lendo
02 Maio 2024

Qual é o melhor caminho para implantar a IA na gestão financeira empresarial?

O uso de IA em finanças tem proporcionado a líderes e especialistas a oportunidade de trabalhar em conjunto com ferramen...

Continue lendo
25 Abril 2024

Como escolher um sistema para gestão de tesouraria?

Ao escolher um software para as finanças, analisar processos, regras de compliance e integrações com ERPs é essencial.

Continue lendo